Como me tornei a louca dos mangás

Eu poderia começar este post explicando o que é mangá para vocês, mas acontece que sinto que fui a última pessoa na face da Terra a me render a essas histórias em quadrinhos de origem japonesa. Então, provavelmente, todos vocês sabem muito mais sobre o assunto do que a newbie aqui. Em todo caso, se tem alguém aí perdido, vem cá ser feliz nesse link aqui para entender um pouquinho mais sobre o que é mangá, onde habita, o que come, essas coisas.

O objetivo deste humilde post é mostrar como fui me meter nisso. Como se não bastasse ver meu salário indo embora com livros, cd’s de k-pop, canecas personalizadas e quinquilharias geek, fui arranjar mais um trem para me afundar na falência. O tal do mangá.

Tudo começou numa manhã de—

Zoando.

O Alê (pra quem não o conhece, é este aqui óh), um dia, estava de bobeira aqui em casa (bobeira = comer besteira, conversar sobre livros, mazelas da vida etc). Aí, decidimos dar uma olhadinha no Netflix. Só que abrir o Netflix nunca é algo simples, apenas uma “olhadinha”, nós somos sugados para aquele mundo paralelo de filmes e séries.

Fato é que, depois de zapearmos um pouco, vi algo que me chamou a atenção.

Death Note

Li a sinopse:

Light Yagami é um genial estudante entediado com a vida que leva. Mas sua via está prestes a mudar de uma forma que ele nunca poderia imaginar. Light encontra um misterioso caderno chamado Death Note e descobre que com ele é possível matar quem quiser – desde que siga as regras escritas no próprio caderno. O rapaz então passa a testar o Death Note e pouco a pouco vai aprendendo a usá-lo até o ponto que decide varrer a escória da sociedade do planeta. Dotado de grande senso de justiça, ele começa a usar o caderno maldito para eliminar criminosos do mundo inteiro e começa a ganhar notoriedade na internet e nos demais meios de comunicação. Os atos do estudante começam a ser vistos com bons olhos por muitas pessoas que, sem saber sua identidade, passam a chamá-lo de Kira, termo adaptado do inglês “Killer” (assassino). Os atos de Light começam a chamar a atenção das autoridades mundiais. Sem pistas de quem seria Kira, entra em cena o exótico detetive conhecido apenas como L. Começa aí um jogo de “gato e rato” entre duas mentes brilhantes. De um lado Light e seu Death Note, do outro L e a polícia do Japão. E, assistindo a tudo, está Ryuk, o Shinigami – ou Deus da Morte – que jogou de propósito o Death Note no Mundo dos Humanos para se divertir um pouco.

E, então, rolou o seguinte diálogo:

“Ah, quero ver a esse negócio” – Eu disse.

“Acho melhor não” – Alê respondeu.

“Mas eu quero”

“São vários episódios”

“Mas eu quero”

“Você não vai conseguir parar de ver”

“Mas eu quero”

“Vamos ver outra coi—“

“Quero.”

Aí, o Alê colocou no primeiro episódio do anime, e a minha cabeça explodiu e tals.

Ryuk é adorável, não?
Ryuk é adorável, não?
Esses dois /FEELS/
Esses dois… /FEELS/

Contrariando o que meu amigo tinha me falado, consegui, sim, parar de ver o anime e assisti apenas aos 6 episódios iniciais. Queria ler primeiro o mangá para depois continuar o anime. Bem, na semana seguinte, eu já estava com todos os volumes da black edition em mãos, comprava camiseta da franquia, caneca, chaveiro, bottom, adesivo… (por muito, muito pouco não comprei um bichinho de pelúcia do L). A história é simplesmente fenomenal, e, apesar de eu ainda não ter terminado a série (estou nos últimos volumes!), ela já tá favoritada, 5 estrelas, coroada e com faixa de melhor leitura do ano.

Depois dessa experiência quase extrassensorial com Death Note, comecei a procurar toda e qualquer informação sobre outros mangás. Conversando aqui e ali com alguns amigos (Olá, Matheus! Olá, Jô!), fui me deixando levar e hoje já li alguns mangás de volume único e séries (finalizadas) e há tantos outros na minha wishlist (Olá, de novo, Matheus!). Confesso que prefiro os de temática mais adulta (mangás seinem) e os não eternos (51422618 volumes não NãO nÃO NÃO dá para mim… TIPO no no no no baby no no no no baby).

Então, gente, essa é a minha vida, esse é o meu mundo atualmente. Tô bem surtada e feliz nele, sabe?

gif1

Agora, quero saber de vocês: costumam ler mangás? Se, sim, quais? Quero dicas pra minha wishlist aumentar e eu ter de quebrar o cofrinho e arranjar um vira-tempo para dar conta de comprar/ler tudo isso!

10 thoughts on “Como me tornei a louca dos mangás

  1. gleice, meu nome é josué tem quatro anos que sigo esse mundo relacionado à cultura japonesa, quero recomendar alguns mangás à você como:
    -orange
    -another
    -kuroshitsuji
    -kyokai no kanata e ReLIFE
    não sei se você vai gostar de alguns, mas espero que goste da minha recomendação.

    1. Obrigada pelas dicas, Josué! Dos que citou, Orange e Another já estão na minha wishlist! Vou procurar me informar sobre os outros que vc indicou! 🙂

  2. Hey, Gleice, tudo bem?

    Então, preciso nem falar neahh?!! Daqui a pouco você estará igual a mim, só mangá já não sacia mais seus desejos e você fica procurando em outros países, tipo os manhwas lá na Nave Mãe (Coréia *__*). Se não for mangá solo, é muito difícil você achar com poucos volumes, pois quando faz sucesso, eles usam a história até não quer mais jeito de seguir em frente, o que gera 80 volumes. O lado bom é que normalmente são bimestrais e são mega baratos (Amazon vende alguns por 8 Dráculas).
    Sobre a dica do colega acima (Another), recomendo o anime e não o mangá. No anime temos a trilha sonora sinistra e vários efeitos macabros, então a imersão naquele mundo é maior. Mas depois de ver, recomendo comprar o mangá por motivos de: fica divo na estante.
    Recomendações:

    Fullmetal Alchemist – Aproveita que a editora está relançando, então você não precisa comprar aqueles primeiros volumes por 60 Dráculas, você acha por 12 apenas.

    Gangsta

    Ajin – Muito amorzinho. Banho de sangue total, mas muito amorzinho.

    Fate Stay Night – Amo amo amo amo amo.

    E se sobrar grana, compra a graphic novel de Teen Wolf.

    PS: Alexandre, se você estiver lendo isso e ainda não colocou Teen Wolf em dia, que o Correio atrase todas as suas encomendas XP.

    Beijão,
    Matheus Braga – http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

    1. SAI DAQUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII MATHEUS! VC TÁ ME FAZENDO IR À FALÊNCIA! TENHA DÓ DO MEU BOLSO! :'(
      /brincando/ vem cá e me abraça/
      Então, jura que Another é melhor começar pelo anime? Geralmente, qd assisto algo antes de ler, fico com preguiça de ler depois. Mas vou te dar esse voto de confiança e fazer isso. Quanto as outras sugestões, anotei-as aqui.
      Manos a referente a Teen Wolf, claro. É ruim, amigo. COMO GOSTA? xD
      Beijos e obrigada pela visita e pelas dicas de sempre no whatsapp! 🙂
      Obs: ri com os 8 DRÁCULAS hahahahahaha

  3. Adoro seu jeito de escrever, Gleicinha. Eu sinto que estamos conversando que nem duas doidas e dou risada sozinha, haha.
    Eu ainda não vi o anime, mas já li o Death Note inteiro (é o único mangá que já li até hoje, eu acho, o resto foi HQ). É muuuuuito bom mesmo, mas tem seus problemas também, principalmente com o papel da Misa na história. O que deu uma salvada foi a Rem/Remu, que conquistou meu coração e depois quebrou ele kkk 🙁

    Beijinhos! <3

    1. “Conversando que nem doidas e dando risadas” Adoro! xD HAHAHAHAHA
      Então, já percebi algumas coisas que me incomodaram em Death Note também, mas, diante do todo, até agora, tenho achado muito bom! Mas não é perfeito, claro!
      Obrigada pela visita, fofa! 🙂

  4. Tu tá de brincadeira comigo que só começou a ler mangás e ver animes agora, Gleice???
    Criatura do céu! Jurava que tu já era louca por esse mundo a séculos. Tô boba, mas seja bem vinda a este mundo. 😊
    Quanto a indicações: Another, Aoharuride, Orange, Shingeki no Kioji, Naruto (mil caps e eps, mas terminado).

  5. Tiaaaa <3 saudades xD
    Então, bem vinda a esse mundo de várias possibilidades e estranhezas #daquelas hahahaha
    Enfim, já que você gostou mais de seinen, eu ouço falaram muito bem de Planetes que ja foi lançado por aqui e são 4 volumes, é pequeno, eu ainda não li, mas super recomendam. Um que eu li e recomendo é Erased, é de mistério e viagens no tempo (mas não é tão puxado para a ficção científica), esse não foi lançado por aqui ainda, infelizmente, mas acho que você gostaria bastante 😀

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *